Entrevista Sobre Pais Separados X Pai Ausente

ACOMPANHE O CONEXÃO APOIO! O PROGRAMA, COMANDADO PELA JORNALISTA ANNE MASCARENHAS, REÚNE PROFISSIONAIS DAS ÁREAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE PARA FALAR SOBRE OS TEMAS MAIS COMENTADOS NOS DIAS DE HOJE. ACOMPANHE E DEIXE A SUA PERGUNTA!

O Conexão Apoio de hoje tem uma Entrevista Sobre Pais Separados X Pai Ausente.

Quem conversou com a gente foram as psicólogas Lívia Bione e Bárbara Monteiro, juntamente com a Fonoaudióloga Deiane Campos. Confira o alerta que elas fizeram aos pais.

Veja abaixo um pouco do que rolou!

Pergunta – Pode acontecer de a criança se sentir culpada pelo fato do pai ter ido embora e culpada pela separação dos pais? 

Lívia – Sim, acontece. Em alguma medida ele pode culpar a si mesmo pela ausência do pai. Ele pode acreditar que não foi um filho suficientemente bom, acreditar que tenha causado algum tipo de confrontação e transtorno para o relacionamento dos pais, motivando a separação do casal. Então, as vezes ele pode atribuir a si a separação dos pais.

Pergunta – Casos em que a criança tem outra família formada pela mãe e seu esposo, ou seja, o padrasto da criança, quem sabe irmãos… A criança pode ficar com o sentimento de estar passando o pai para trás, caso goste do padrasto? 

Lívia – Pode acontecer de a criança ficar confusa de como se relacionar com o padrasto e com o pai. É difícil para a criança equilibrar isso e pode acabar achando que está traindo o pai. Como consequência, pode agir de forma agressiva e rejeitar o padrasto. Isso não é raro de acontecer.

Pergunta – Quando o pai marca um encontro com o filho e falta a esse encontro. Que tipos de prejuízo isso pode causar?

Bárbara – Se for algo constante, a criança vai fantasiar muita coisa e achar que está sendo rejeitado pelo pai.

Pergunta – Em momentos de raiva e briga entre mãe e filho, muitas vezes a mãe acaba identificando e comparando o filho com o pai de uma maneira pejorativa. “Ah! você parece com o seu pai, por isso você é assim!”. O que você pode aconselhar?

Lívia – É uma situação de confronto, um comentário negativo. É importante evitar a depreciação sempre. A criança deve ser preservada e, com o amadurecimento, ela vai crescer e saber fazer as suas ponderações a partir dos recursos que ela tem sobre o pai. Ela vai conseguir conectar as pistas e sinais que teve até o longo dos anos, somar as informações e chegar a uma conclusão por conta própria.

 

Os comentários estão encerrados.